Localizada no sudeste asiático, a Malásia é constituída majoritariamente pelo povo malaio. Além dos malaios, há também minorias chinesas e nativas – as quais são claramente desfavorecidas pelo governo. Por lei, todo malaio é muçulmano e não tem permissão para seguir outra religião; logo, a conversão ao cristianismo é considerada um crime.

A chegada de missionários remonta ao século 16. O país conta com uma igreja histórica, com cerca de 9% de cristãos. Como a maioria deles é de minorias étnicas indígenas, eles sofrem uma dupla pressão – tanto por ser de origem chinesa ou nativa quanto por se converter ao cristianismo. Entretanto, os mais perseguidos são os de origem muçulmana. As restrições impostas pelo governo e pela sociedade sobre as igrejas locais e os recém-convertidos tem aumentado.

Os recém-convertidos não podem frequentar uma igreja, então se reúnem secretamente cada vez numa casa diferente para não levantar suspeitas. Todo tipo de material cristão e Bíblias têm que ser escondidos. Mas ao mesmo tempo, as igrejas têm se conscientizado sobre seu papel na luta pela justiça e transformação. Ore para que nossos irmãos de todas as etnias e contextos sociais na Malásia tenham liberdade de cultuar a Deus.

fonte: www.portasabertas.org.br